De olho nos cardápios do Mickey

Eu já tinha visitado os parques da Disney algumas vezes. Mas a minha primeira ida depois de descobrir que era celíaca, em 2016, me deixou preocupada. Eu nunca tinha ido a qualquer parque de diversão tendo que parar pra pensar onde e o que ia comer. Na hora que batia a fome, era só sair do brinquedo ou show que eu estava, olhar as opções em volta e pronto: podia ser um sorvete de “orelha de Mickey”, um cheeseburguer, uma fatia de pizza ou o que estivesse perto e me desse vontade. Achei que seria complicado, que ia passar muita “vontade” e que isso iria atrapalhar a diversão. Mas minha mãe me tranquilizou: como somos as duas celíacas, íamos passar juntas pela experiência. E, olha só, agora posso dizer pra vocês: foi muuuuito tranquilo!

Primeiro de tudo porque o site dos parques é super completo e permite que o visitante escreva tirando dúvidas antes mesmo de embarcar. Eles respondem bem rápido e aí você já consegue preparar uma listinha de onde dá pra ir. Para quem não tiver tempo ou não quiser mandar mensagem antes, os folhetinhos que os visitantes pegam na entrada dos parques também dão essa informação. Outra dica é entrar no parque e ir direto nos quiosques de informação para visitantes.

Mas mesmo se não fizer nada disso, não se preocupe: vá aos restaurantes, peça o cardápio especial e fale com o gerente ou com o próprio chef ou responsável pela cozinha. Explique seu caso, diga que não pode comer glúten de jeito nenhum, que não é uma dieta só para se sentir bem e que você passa mal mesmo. Eles levam isso muito, muito a sério. Essa pessoa vai te dar opções, te dizer o que você pode ou não comer e ficar responsável pelo seu prato. E em muitos casos você nem precisa comer diferente de todo mundo.

Em alguns restaurantes dos parques podemos encontrar pizza sem glúten. A mesma coisa com os sanduíches! Os atendentes vão te orientar da melhor forma. Em alguns lugares, eu podia comer a batata frita. Em outros, não. Ou porque o mesmo óleo era usado também para fritar ou empanar outros alimentos. Mas, mesmo assim, muito cuidado com o que está na mesa ou nos buffets, como ketchup, maionese e salsichas (alguns contém glúten). Em outros, me avisavam para não comer, porque tinham outros ingredientes misturados na receita ou pelo risco da tal contaminação cruzada.

Me empolguei neste post e ele já está ficando grande, mas queria deixar só mais umas dicas! Os mercados de Orlando têm muitas opções de produtos gluten free. Então, se você quer garantir um café-da-manhã reforçado ou fazer um bom estoque de comidinhas práticas para deixar na mochila, pode ficar tranquilo(a) porque tem bastante coisa no Walmart, Target e Publix. Além deles, tem o Whole Foods, que é um mercado gigante, com produtos saudáveis, orgânicos, muitas opções de comidinhas frescas para levar e também uma grande variedade gluten free.

Para encerrar, uma dica para quem AMA doces (e chocolate, como eu!) e não vai sossegar enquanto não achar uma confeitaria com opções gluten free em Orlando. A Erin Mc Kennas, que pelo que pesquisei, nasceu em NY, tem uma loja na cidade, em Disney Springs, e também fornece para cafés e restaurantes que ficam dentro do Complexo Disney. Eles têm doces para quem não pode ou não quer comer açúcar refinado, glúten, trigo, soja e ovo. Neste link, você consegue ver o cardápio, os endereços e as informações nutricionais.

09/10/2019

*Estamos compartilhando nossas experiências mas não somos médicas ou nutricionistas. Consulte um especialista para uma orientação profissional.

Deixe uma resposta